logo pro blog

26 de abr de 2008

É...e lá vamos nós...


Mais um ano, e recomeça o "circuito" de eventos e viagens relacionadas a parkour, dessa vez a Virada Cultural em são paulo. O evento promete um altissimo nivel nas apresentações que vão acontecer no centro (acho que antigo centro, sei la) de são paulo. Selecionamos a dedo mais de 30 pessoas que acreditam que sejam os mais capacitados (nivel técnico, e mental) tracers do país, obviamente não podemos generalizar, e dizer que a afinidade com cada um deles contou no parametro de escolha, Mesmo assim teremos o pessoal de Belo Horizonte, Brasilia, Florianópolis, Rio de Janeiro, Belém, São Paulo(interior), Nordeste, tentando trazer o melhor do parkour para apresentar em são paulo.  Quem quiser aparecer e se juntar a festa veja os horários no site do evento.

See ya guys around there!

25 de abr de 2008

"A Ideia não é desenvolver demais ou forçar o corpo, mas normalizar sua função"

Be healthy, baby!

Você que treina duro, qual foi a ultima vez que você ficou doente?
Sinceramente eu não lembro a ultima vez que fiquei gripado, ou que precisei dar um atestado médico na empresa, inclusive o rapaz do RH veio comentar isso ontem aqui no meu setor, que eu sou o único que nunca deu atestado médico. Já o rapaz que senta na báia ao lado, é a segunda vez que ele pega 15 dias de atestado por algum tipo de lesão em menos de 6 meses. O Impressionante é que troco porrada, tomo chute na cabeça, subo muros, pulo de um lugar pro outro, treino em alturas, na chuva, no sol, e estou aqui, pontualmente todo dia. mas porque isso Mr.M ?

Obviamente eu devo admitir que me alimento centenas de anos luz melhor do que o pessoal aqui da empresa, exercito o corpo, coloco ele para funcionar em situações mais duras do que o corpo das outras pessoas, e é claro que isso faz meu sistema imunológico ser um Bufalo perto dos "humanos normais". Mas aí você deve estar se perguntando agora, "Mais e você nunca se machuca?", a resposta: é OBVIO que sim!
A Diferença é que as pessoas que treinam (as que conheço pelo menos) quando quebram o dedinho do pé, torcem o tornozelo, machucam o dedo, ou qualquer outro tipo de lesão que poderia ser usado para ir ao médico, tirar um dia, e ficar sofrendo na cama, tem total conciência de que a vida continua e que aquilo não é motivo para deixar de fazer as coisas. Nós, pessoas físicamente ativas, temos mais senso do que acontece com o nosso corpo do que os "humanos regulares" e não temos panico quando sofremos uma lesão, simplesmente sabemos como trata-la da melhor maneira possivel e continuar a vida.
Eu li uma frase num artigo essa semana que representa um pouco essa diferença:

"Você não tem nenhum conhecimento do seu corpo, nem consciente, ou subconsciente, técnico, ou intuitivo. Você é como um chimpanzé bebado que ganhou um carro, e de alguma forma aprendeu a move-lo pra fora de casa, pisando no acelerador, com uma grande banana... Não parece muito bonito, mas você está dirigindo algo do tio.. "

Obviamente o trecho (uma tradução livre) expõe esse ponto de vista de uma forma bem mais dura, mas não deixa de ser um pouco da realidade...

Se você não tem nenhum outro motivo maior pra treinar, treine por saúde :)


Abraços

9 de abr de 2008

Teste de Atenção

Pena que é em ingles, mas vale muito a pena ver:


4 de abr de 2008

43% estão acima do peso no País


"Da população adulta do Brasil, 43,4% estão com excesso de peso. Além disso, 16,4% dos brasileiros fumam e, em média, 20 mil motoristas dirigem alcoolizados pelas ruas das capitais todos os dias. Os números foram obtidos por meio do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde. Mais de 54 mil pessoas, distribuídas em todas as capitais do País e Distrito Federal, foram
entrevistadas por telefone. (..ler mais...)" Fonte: Estadão

E ainda tem revista que assusta o publico dizendo que fazer exercicios de mais pode ser prejudicial a saúde...
Antes que alguém pense, não sou preconceituoso, não tenho nada contra pesoas gordas, mas alguém tem que parar de fingir que é saudavel ser assim, e que não tem nada de errado em ser gordo. Let's move!

3 de abr de 2008

Parkour vs. Business

Business

Parkour se tornou um fenomeno em popularidade para propagandas e ações de marketing em todo país, mas um acontecimento dessa semana me fez ter a ideia de postar isso aqui.
As pessoas em geral os produtores deveriam entender mais com quem estão tratando antes de entrar em contato com alguem que pratique e chamar para suas ações, e respeitar os práticantes.

Práticantes SÉRIOS de parkour, não são moleques que ficam pulando na rua, nós temos um treinamento intensivo, uma dedicação e sériedade que parece que a maioria não entende, só assistem o video com o resultado final e acham que é só sair pulando por ai.

Me pediram um orçamento de trabalho para uma apresentação em um evento de moda gigante que está tendo por ai, e o evento recusou nosso orçamento falando que era muito alto. Então vou explicar o que levei em consideração ao pedir esse tal preço.
Nós treinamos muito duro, horas e horas por dia, mais do que algumas pessoas estudam na faculdade as vezes, 150/200 reais não paga essa dedicação,
Uma ação envolvendo Parkour, principalmente performances ao vivo, envolvem um alto teor de rísco, porque normalmente estamos sendo observados e temos que nos esforçar para fazer o necessário e sempre assinamos um termo nos isentando de qualquer acidente que ocorra, caso ocorra 200/300 reais não paga esse risco. Eu sou analista e trabalho no mundo de negócios mais canibal da atualidade, o da tecnologia, e na minha cabeça a ação ter 5/10 minutos e ter 1 hora não faz a minima diferença, sei que raramente começa na hora, fora deslocamento preparação, planejamento do que vai ser feito no local, isso gasta pelo menos 2/3 horas FÁCIL.

Eu trabalho e tenho minha renda fixa, não faço parkour para viver, e se a proposta não for cobrir meus riscos, e meu tempo, eu realmente não vou pensar duas vezes em recusar, Parkour não é meu negócio, e não busco trabalhos e nem sucesso. Então antes de contratar alguem sério de parkour esteja preparado para respeitar os riscos dele.


Imprensa


Desde que comecei a treinar parkour, depois de pouco mais de um ano, aconteceu a primeira reportagem que participei sobre o assunto, dedicando de tempo e atenção pra tentar transmitir tudo que fazemos e sentimos para o mundo exterior. Obviamente essa primeira reportagem foi recebida com bastante alegria e excitação.

De lá pra cá participamos de inumeras reportagens para tv e jornais, e o mais impressionante que possa parecer, os maiores orgãos de noticia são os piores de se fazer reportagem, tem costume de achar que estão tratando com crianças e moleques desocupados, e tratam nossas restrições de horarios (pessoas estudam e trabalham), e no desrespeitam quando tentam nos forçar a fazer algo que não faz o minimo sentido dentro do Parkour, mas pode ficar bonito e chamativo na foto.

Já aconteceu de marcarem entrevistas e não comparecer, chegar 1 hora atrasado, filmar e depois perder a fita e querer filmar denovo, exigir que a filmagem fosse em horário comercial... O Impressionante é que todo reporter exige que tenhamos tempo totalmente dìsponivel para eles, e que no final das contas como se nosso futuro dependesse daquilo.
Particularmente não respondo mais e-mails de reporters que contenham coisas como:
"Urgente", "O Mais rápido possivel", "Entrem em contato com a gente" e coisas genéricas como isso.

Vamos lá, Reporteres devem entender que ELES querem vender mais jornais, ter mais audiência porque acharam nossa atividade interessante, a gente não faz a minima questão de aparecer nisso, pelo menos não o povo sério que eu conheço. Nós somos seres humanos normais, que trabalhamos, estudamos e temos restrições de tempo como qualquer outra pessoa, faltar expediente, filmar/fotografar em horários absurdos (meio dia no sol maldito e ficar sem almoçar) não está nos nossos planos a não ser que vocês sejam muito educados e nos faça querer ajudar vocês.