logo pro blog

28 de mai de 2008

Take out the trash

"Enquanto você caia, você pensava em alguma coisa?"

Estive observando várias pessoas nessas ultimas semanas, tentando achar o motivo de algumas pessoas não se esforçarem tanto quanto outras, não simplesmente sobre o nível condicionamento físico ou técnico, mas pelo simples ato de tentar.

Existem dois pontos que eu consegui identificar claramente e que afeta várias pessoas e que provavelmente facilita para a desistência ou a perda da motivação do treino, fazendo com que tente e se esforce cada vez menos.

O primeiro motivo que vejo é pena, as pessoas tendem a ter pena dos outros e de si mesmo. Quando vemos alguém treinando duro e nosso primeiro pensamento é “Nossa! coitado dele...” a tendência é agir da mesma forma consigo mesmo durante um treino. O que acontece é que acabamos pensando “nossa, vou dormir só 4 horas hoje”, ou “nossa, acordar 5:30 é muito cedo”, “treinar tanto é coisa de doido” e por ai vão as clemências do povo. A Diferença entre a maioria dessas pessoas e o que podemos considerar pessoas motivadas começa ao assistir um vídeo de um treino ou ouvir alguma boa história de treino, Ele se sente empolgado em repetir o feito, sente se tão forte só de pensar em repetir aquilo, em ser tão guerreiro quanto o exemplo.

Quando alguém sem esse espírito assiste o vídeo do Sean Sherk (Abaixo) a primeira coisa que pensa é: “nossa, que vida chata, fico cansado até de pensar nesse treino, ele não come nada de bom? Eu não conseguiria viver assim!”, Outros tem a reação totalmente ao inversa: “Que cara monstro, alimentação perfeita, dedicação, o cara é foda!” Se tornando assim um exemplo e um fator motivador para o segundo caso.





O outro ponto que percebi, e que quando aprendi a controlar e me desvincular disso fez toda diferença nos meus treinos, no Parkour e em todo resto é a vergonha, o medo de errar e falhar faz com que muita gente tenha vergonha de tentar, de dar o primeiro passo. Muita gente vê determinado exercício, ou movimento e acaba se limitando. O Video abaixo é um comercial da Nike que mostra o Michael Jordan, falando quantas cestas errou, quantas vezes a decisão do jogo dependia só dele e ele deixou o time na mão, quantos jogos perdeu, e que por isso que ele foi bem sucedido. A mensagem é basicamente “se você não errar, você não vai acertar”.





Uma frase que sempre tenho na cabeça, quando vou fazer algo, e que só entendi algum tempo depois de ver num filme quando um amigo me disse isso foi: “Tire o lixo”, Hoje em dia esse termo significa pra mim, largar todo preceito, todo medo, e simplesmente não ter nada a perder se errar, obviamente devemos manter o nível de sanidade e não tentar suicídio, mas quando for tentar fazer algo, no treino, no Parkour, ou na vida, Tire o Lixo da sua mente, entenda o que está acontecendo, e veja como aquele momento é único, e não vai se repetir.

Abraços!

27 de mai de 2008

Da série posts atraados...


AAHuff... Parando pra respirar...

Depois de viajar por quase 2 semanas em são Paulo e BH, pouco foi o tempo que
tive de passar as coisas pro blog, e muita coisa tem pra ser dita e renovada.


Primeiro estive em são Paulo com mais aproximadamente 40 tracers, fazendo algumas ações na virada cultural. Cheguei com mais 5 pessoas de Brasilia no aeroporto de são Paulo por volta de 11 horas da manha, e fomos de van para o alojamento do centro esportivo baby barione, onde estava acontecendo um campeonato de jiu jitsu, e varias outras competições. O pessoal do parkour ocupou 2 quartos, juntando gente do Brasil inteiro, nunca estive com tanta gente de tanto lugar diferente em um momento só, foi uma experiência muito boa pra mim.
A Tarde de sábado fomos a um parque em são Paulo onde brincamos um pouco com as arvores, e fizemos um pique nique (sei la como escreve), comemos e fomos para o alojamento descansar, a primeira ação iria acontecer por volta de 00:30h então tínhamos que estar descansados.

Fomos de ônibus fretado para o local onde seria a ação, mas mal conseguimos chegar ao local devido ao transito, e o volume de pessoas andando pela rua, muita gente bêbada, usando drogas e bem agressiva pelo caminho, não foi algo muito legal. No local da ação não poderia ser diferente, muita bebida e gente bêbada por todo lugar, fiquei ate meio frustrado pensando o que tinha a ver o parkour naquele ambiente, acho que pra todos isso foi um motivo de desgosto da primeira noite, que a gente estando ali ou não seria indiferente para as pessoas em volta.

O Segundo dia foi mais divertido, fomos para um local onde estavam tendo apresentações de teatro, hip hop, e a estrutura era muito mais legal do que a da noite anterior, e o parkour estava bem melhor situado ali do que no ambiente hostil da ultima noite, muita gente de alto nível treinando, vi coisas muito bem feitas, e movimentos realmente bem executados, é bom ver o povo crescendo e treinando cada vez mais e melhor.

No pessoal a viagem valeu mais pelo tempo no alojamento e os treinos com os amigos de longe, como 6 andares de quadrupedia pela noite, fugindo as 3/4 da manha para treinar por são Paulo, varias brincadeiras e conversas esclarecedoras que tive com o pessoal, formação de novas alianças firmadas e o inicio do que vai ser (pelo menos pra mim) uma motivação para me desenvolver dentro do parkour, e poder passar pra frente o que todos temos aprendido com os treinos.

Abraços!

17 de mai de 2008

A vida é dura, aceite isso!

A um certo tempo não posto nada significativo aqui, até porque estive viajando um bocado, e voltei com um ritmo de trabalho/treino muito forte, e quase não tenho dedicado tempo para escrever, meu caderninho esta cheio de coisas para passar pro blog, mas deve demorar muito ainda, então acabei de ler um post que explica muito do que eu acredito e procuro praticar no meu cotidiano, as vezes não consigo passar esse ponto de vista para as pessoas perto de mim, mas acho que esse texto pode elucidar muita coisa, aqui segue uma tradução livre de um post do Ross Enamait.

"Em um post recente no blog discuti como a atitude negativa prevalece na nossa sociedade.
todo mundo tem algo do que reclamar, e o produto negativo dessa atitude irritante está literalmente em qualquer lugar que você olhar, Nem todo mundo concorda com minha opinião de qualquer forma. Uma resposta é de que as pessoas precisam estar conscientes do que acontece com o mundo. Eles argumentam que é fora da realidade viver com atitude "feliz", e que tal atitude indica falta de consciência.

Infelizmente para quem responde assim, este argumento tem mais buracos que você pode achar em um tiroteio. Viver 24/7 negativamente não tem nada a ver com consciência. E também não tem nada a ver com correr por ai, como uma pequena flor, sem preocupações e problema. Eu não preciso ouvir que você reclamar que o preço da gasolina aumentou, pra saber que ele subiu, e eu não preciso gostar disso. Quando eu encho meu tanque, o preço está listado visivelmente. Eu estou ciente, mas eu não vou deixar isso arruinar o resto do meu dia. Viver sem negativismo constante, não tem nada a ver com falta de consciência.

Ser consciente da situação é diferente de deixar a situação ditar, influenciar, e arruinar sua vida. Eu não corro por ai o dia inteiro, ignorante de que existem problemas no mundo. Eu já andei com alguns bandidos e mal-carácter. Eu sei como é ai fora, mas eu não conflito com iso todo dia. Quando você é negativo, é muito fácil deixar as pessoas a sua volta pra baixo.  Se torna um efeito dominó. Muitos no mundo são pegos por esse jogo de dominós. Felizmente, é muito fácil de sair deste jogo. Faça isso. É simplesmente facil. Você pode mudar quem você é como pessoa, quando quiser. Você não precisa ser definido pelo que você era antes. Siga em frente.

Você vai reconhecer que muitos dos problemas que um dia você reclamou, não são tão ruins quando você olha de perto. A vida é dura, mas muito do que o mundo considera difícil é muito longe disso. Existem muitas pessoas com problemas maiores do que eu e você. Viver sem o constante negativismo, não significa se tornar livre de problemas. Simplesmente quer dizer que você é capaz de viver sua vida sem ser definido pelo problema.

Quer um exemplo? veja o video abaixo: assista Mile Hummel levantar 272kg no supino. Obviamente é muito impressionante. mas é mais impressionante quando você descobre que ele está levantando com um braço só! não sei toda a historia, mas ele tem um braço postiço do cotovelo pra baixo. Ele tem vivido com o braço postiço por alguns anos já (é tudo que sei).



Você consegue imaginar perder seu braço amanha? Suponho que você ficaria derrubado. Eu sei que ficaria. Eu tenho certeza que ninguém teria culpado Mike, se ele desistisse do PowerLifting. Mas adivinha? Ele não deixou o incidente o definir. Ele passou por uma reabilitação extensiva e voltou levantando mais do que muitos conseguiriam com 4 braços... nem imagine com 2."